30 de abril de 2013

Resumeco do primeiro capítulo de “Sangue Bom”

Por: Fábio Garcia

Ontem foi a estreia da novela sobre seis jovens cujas vidas amorosas vão se entrelaçar enquanto tentam conseguir a fama a qualquer custo. Espera, “Rebelde” voltou a ser exibida? Claro que não, estou falando de “Sangue Bom”, a nova novela das 19h. Caso você tenha perdido o primeiro capítulo porque achou que essa novela seria uma bomba como “Guerra dos Sexos”, preparamos um resumo esperto para você fingir para seus amigos que assistiu à nova trama.

A novela começou com Bento, o florista com a alegria de viver da Narcisa Tamborindeguy. Enquanto ele enchia a tela de flores (e enchia o nosso saco com seu bom humor contagiante, só que não), apareceu Malu Fernanda Vasconcellos que conquistou nossa antipatia já em sua primeira frase. Ela foi fazer uma entrevista com Bento para descobrir o segredo do sucesso da floricultura dele. E basicamente é isso:

Felizmente o núcleo alegre-ahá-uhú-oBig-Brother-É-Nosso-Abraço-Coletivo-Êêê deu espaço à verdadeira estrela dessa novela, Giulia Gam e sua Bárbara Ellen. Uma atriz decadente que faz qualquer coisa para aparecer na mídia e soltou frases tão boas neste primeiro capítulo que nem preciso inventar novos diálogos na quadrinização:

A protagonista Amora, que a partir deste momento chamarei de Amala por motivos óbvios, apresentou o seu programa com uma dicção digna da mulher da sua operadora de celular dizendo quantos centavos você tem de crédito. Em seu programa, uma embotocada anunciou um empreendimento imobiliário na Zona Norte de São Paulo, mas fez alguns ajustes na imagem para não mostrar um galpão de escola de samba.

Vamos nos recuperar deste ativismo social com a morte do metrossexual homofóbico e infiel, que caiu do cavalo e renderá manchetes tão cafonas no jornal quanto “Anão Vestido de Palhaço Mata Oito”:

Amala precisa apresentar o seu programa ao vivo no lançamento do empreendimento Las Blumas, mas tá rolando um Flashmob dos moradores da Casa Verde que mistura atrações circenses do Circo de Soleil com mashups horrorosos estilo “Glee” com todas as músicas ativistas do Brasil, como “Que pais é esse” e “Sabotagem”. Se colocassem também “Pra não dizer que não falei de flores” no repertório ficaria difícil diferenciar entre um flashmob e uma festa em faculdade de Humanas:

E esse foi o capítulo desta novela que é tão jovem que a soma de idade dos seis protagonistas não chegam perto da idade de um dos principais de “Guerra dos Sexos”. Caso tenha dúvidas se deve acompanhar “Sangue Bom”…. veja pela Giulia Gam e seja feliz.