17 de outubro de 2013

Importar minissérie bíblica é mais negócio para a Record

Estreia de “A Bílbia” dá mais audiência que as minisséries produzidas no Brasil.

Por: Coisas de Novela

Montagem / Redação POP

Estreia de “A Bílbia” dá mais audiência que as minisséries produzidas no Brasil.

Com grandes efeitos especiais e produção primorosa, a série americana “A Bíblia” estreou no Brasil ocupando a lacuna da dramaturgia religiosa das quartas-feiras na Record. A divulgação pelo canal foi boa, mas nada excepcional, apenas um comercial aqui e ali. Porém, a audiência foi excelente.

A estreia deu nada menos que 13,5 pontos de audiência, muito mais que a da estreia da inflacionada “José do Egito”, lembrando que cada ponto equivale a 62 mil domicílios fãs de dramaturgia religiosa na Grande São Paulo.

“A Bíblia” conta a história… bem… da Bíblia, não tem muito o que falar, né? A série conta com 10 episódios e seus direitos devem ter custado bem menos que a produção das minisséries da Record. É uma comparação desleal, eu sei, mas mostra como a nossa dramaturgia é cara e alguns formatos de produção são insustentáveis de se manter (tipo as minisséries épicas com câmeras importadas da Record).